Carlos César Floriano está otimista com a relação comercial do Agro entre Brasil e Irã

Carlos César Floriano está otimista com a relação comercial do Agro entre Brasil e Irã

Para ampliar o comércio do agronegócio entre os países, a comitiva do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) participou ao longo de fevereiro de 2022 de reuniões com o ministro da Agricultura, com o presidente da Comissão de Agricultura do parlamento iraniano, com o Fórum Empresarial entre os dois países e encontros com a Câmara de Comércio Brasil-Irã. “No ano de 2020, o Brasil vendeu para o Irã US$ 1,9 bilhão em produtos agrícolas, em especial, a soja em grãos e o milho”, informa o CEO do Grupo VMXCarlos César Floriano.

Os ministros da Agricultura do Brasil e do Irã assinaram acordos para diversificar e aumentar as vendas brasileiras de alimentos, produtos agrícolas e material genético para o Irã, bem como as exportações iranianas de produtos agrícolas e fertilizantes para o Brasil. 

Em encontro em Teerã, os ministros dos dois países também reforçaram o potencial de exportação dos produtos iranianos, como frutas secas, pistache, trigo e açafrão. Além dos produtos já comercializados pelos iranianos, que são populares entre os brasileiros, outros também poderão ser comercializados com boa aceitação no Brasil, como conservas, frutas e azeite. Empresários iranianos poderão participar das feiras agrícolas brasileiras para demonstrar e promover os seus produtos.

Nas reuniões, os ministros comprometeram-se a apoiar as empresas dos dois países na captação de joint ventures, investimentos e desenvolvimento de projetos agrícolas. Espera-se também a troca de experiências e intercâmbios entre os países em conhecimento e realizações científicas e tecnológicas. Os ministros reforçaram a complementaridade das relações bilaterais de comércio agrícola e também discutiram a possibilidade de aumentar a compra de produtos comercializados, como a exportação de ureia do Irã e a exportação de cereais e proteínas do Brasil. 

O ministro iraniano ressaltou que o Brasil é uma potência agrícola de renome mundial e disse que a visita da comitiva brasileira foi o primeiro passo para um relacionamento maduro. Ainda este ano, está prevista a próxima reunião do comitê consultivo agrícola bilateral entre os países.

Importação de ureia deve triplicar

Em reunião realizada entre a comitiva do Mapa e a National Petrochemical Company (NPC), o presidente da empresa, Morteza Shah-Mirzaei, confirmou a expectativa que as exportações de ureia para o Brasil, das atuais 600 mil toneladas/ano poderão chegar a 2 milhões de toneladas/ano, que reflete o interesse do Brasil e será bom para os agricultores, que precisam cada vez mais de fertilizantes, insumo imprescindível para continuar produzindo com mais eficiência os produtos. O Irã produz anualmente cerca de 5 milhões de toneladas de ureia, sendo 50% consumido internamente e o excedente exportado.

Em tempo, a ureia atualmente é o fertilizante mais utilizado, pois fornece o nitrogênio para as plantas na agricultura mundial. O Irã é considerado o segundo maior vendedor no Oriente Médio de produtos petroquímicos. 

Este aumento de exportação de ureia do Irã para o Brasil facilitará, no entendimento dos técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para, além da importação daquele país de soja, carnes e milho, também a aquisição de outros produtos, tais como o açúcar, arroz e algodão, por exemplo.

Compartilhe em suas redes sociais:

Acompanhe outras notícias: